domingo, setembro 14, 2014

Smoke on The Water



Tags: Deep Purple

sábado, setembro 06, 2014

quarta-feira, julho 16, 2014

Bossacucanova - Maria Rita - Deixa a Menina



Já quase me crucificaram dizendo que não ouço música brasileira. Ok. É que não dá mais pra ouvir o que estão produzindo por aí.

Aí, o Ugo Degani me apresentou o Bossacucanova, que tem dado uma pincelada de ar novo na Música Brasileira. Um jeito mais Geração Y de ouvir coisas lindas que não são mais feitas hoje em dia.

Tags: Bossacucanova; bossa nova; MPB

sexta-feira, julho 11, 2014

Always in My Head



Always in My Head

I think of you
I haven't slept
I think I do, but
I don't forget

My body moves
Goes where I will
But though I try
My heart stays still

It never moves
Just won't be left
And so my mouth waters to be fed
And you're always in my head

You're always in my head
You're always in my head
You're always in my head
You're always in my head

You're always in my head
Always in my, always in my head

This I guess
Is to tell you you're chosen out from the rest



Sempre em Minha Mente

Eu penso em você
Eu não tenho dormido
Eu acho que esqueço
Mas não consigo

Meu corpo se move
Vai onde eu for
Mas mesmo que eu tente
O meu coração continua imóvel

Nunca se move
Simplesmente não se moverá
Então a minha boca saliva para ser satisfeita
E você está sempre em minha mente

Você está sempre em minha mente
Você está sempre em minha mente
Você está sempre em minha mente
Você está sempre em minha mente

Você está sempre em minha mente
Sempre em minha, sempre em minha mente

Essa canção, eu acho
É pra te dizer que te escolhi, de todo o resto



Tags: Coldplay; Ghost Stories


 



domingo, março 16, 2014

segunda-feira, março 10, 2014

Because - Ná Ozzetti e André Mehmari



Tags: Beatles; Lennon&McCartney

domingo, março 09, 2014

domingo, fevereiro 02, 2014

Ms. Lauryn Hill - Final Hour LIVE

Uma das minhas cantoras preferidas e uma das mais sub-aproveitadas que conheço. É boa demais para umas músicas realmente fracas que ela gosta de cantar. Vá lá. Ouvi-la é sempre bom.


domingo, janeiro 12, 2014

quarta-feira, janeiro 08, 2014

Across The Universe



Words are flowing out like endless rain into a paper cup,
They slither wildly as they slip away across the universe.
Pools of sorrow, waves of joy
Are drifting through my opened mind,
Possessing and caressing me.

Jai guru deva. om.

Nothing's gonna change my world,
Nothing's gonna change my world.
Nothing's gonna change my world,
Nothing's gonna change my world.

Images of broken light
Which dance before me like a million eyes,
They call me on and on across the universe.
Thoughts meander like a restless wind
Inside a letter box,
They tumble blindly as they make their way
Across the universe

Jai guru deva. om.

Nothing's gonna change my world,
Nothing's gonna change my world.
Nothing's gonna change my world,
Nothing's gonna change my world.

Sounds of laughter, shades of love are ringing through
My opened ears
Inciting and inviting me.
Limitless undying love,
Which shines around me like a million suns,
And calls me on and on across the universe

Nothing's gonna change my world,
Nothing's gonna change my world.
Nothing's gonna change my world,
Nothing's gonna change my world.


Palavras flutuam como uma chuva sem fim em um copo de papel
Elas se mexem selvagemente enquanto deslizam pelo universo
Um monte de mágoas, um punhado de alegrias
Estão passando por minha mente
Me possuindo e acariciando

Glória ao maestro do universo

Nada vai mudar meu mundo
Nada vai mudar meu mundo
Nada vai mudar meu mundo
Nada vai mudar meu mundo

Imagens de luzes quebradas
Que dançam na minha frente como milhões de olhos
Eles me chamam para ir pelo universo
Pensamentos se movem como um vento incansável
Dentro de uma caixa de correio
Elas tropeçam cegamente enquanto fazem seu caminho
Através universo

Glória ao maestro do universo

Nada vai mudar meu mundo
Nada vai mudar meu mundo
Nada vai mudar meu mundo
Nada vai mudar meu mundo

Sons de risos, sombras de amor estão tocando
Meus ouvidos abertos
Me excitando e convidando
Um amor incondicional sem limites
Que brilha em minha volta como milhões de sóis
E me chamam para ir pelo universo

Nada vai mudar meu mundo
Nada vai mudar meu mundo
Nada vai mudar meu mundo
Nada vai mudar meu mundo



Tags: Beatles; Lennon&MacCartney

terça-feira, janeiro 07, 2014

Presságio

O amor, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar pra ela,
Mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há de dizer.
Fala: parece que mente…
Cala: parece esquecer…

Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
Pra saber que a estão a amar!

Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar…



Fernando Pessoa

terça-feira, dezembro 24, 2013

O que está acontecendo

 Essa é minha música para este Natal.



Mother, mother
There's too many of you crying
Brother, brother, brother
There's far too many of you dying
You know we've got to find a way
To bring some lovin' here today - Ya

Father, father
We don't need to escalate
You see, war is not the answer
For only love can conquer hate
You know we've got to find a way
To bring some lovin' here today

Picket lines and picket signs
Don't punish me with brutality
Talk to me, so you can see
Oh, what's going on
What's going on
Ya, what's going on
Ah, what's going on

In the mean time
Right on, baby
Right on
Right on

Mother, mother, everybody thinks we're wrong
Oh, but who are they to judge us
Simply because our hair is long
Oh, you know we've got to find a way
To bring some understanding here today
Oh

Picket lines and picket signs
Don't punish me with you brutality
Talk to me
So you can see
What's going on
Ya, what's going on
Tell me what's going on
I'll tell you what's going on - Uh
Right on baby
Right on baby

O que está acontecendo
Mãe, mãe
Há muitas de vocês chorando
Irmão, irmão, irmão
Há muitos de vocês morrendo
Você sabe que nós temos de encontrar um meio
Para trazer um pouco de amor hoje

Pai, pai
Nós não precisamos agravar
Veja, guerra não é a resposta
Pois apenas o amor pode conquistar o ódio
Você sabe que nós temos de encontrar um meio
Para trazer um pouco de amor aqui hoje

Piquetes e cartazes
Não me puna com brutalidade
Fale comigo, então você poderá ver
Oh, o que está acontecendo
O que está acontecendo
Sim, o que está acontecendo
Ah, o que está acontecendo

No meio tempo
Certo, baby
Certo
Certo

Mãe, mãe, todos pensam que nós estamos errados
Oh, mas quem são eles para nos julgar
Simplesmente porque temos cabelo comprido
Oh, você sabe que nós precisamos encontrar um meio
Para trazer um pouco de entendimento agora, hoje
Oh

Piquetes e cartazes
Não me puna com brutalidade
Fale comigo
Então você poderá ver
O que está acontecendo
Sim, o que está acontecendo
Diga me o que está acontecendo
Eu te direi o que esta acontecendo
Certo baby
Certo baby


Tags: Marvin Gaye; What's going on

sábado, dezembro 21, 2013

domingo, dezembro 01, 2013

Canta demais!

Vídeo-dica do Luciano Araújo. Palavras dele: "Pensa assim: é louca, drogada, escrota, prostituída, fedida e feia... Se fosse normal não servia de nada."



My God



My God

Jethro Tull

People -- what have you done --
locked Him in His golden cage.
Made Him bend to your religion --
Him resurrected from the grave.
He is the god of nothing --
if that's all that you can see.
You are the god of everything --
He's inside you and me.
So lean upon Him gently
and don't call on Him to save you
from your social graces
and the sins you used to waive.
The bloody Church of England --
in chains of history --
requests your earthly presence at
the vicarage for tea.
And the graven image you-know-who --
with His plastic crucifix --
he's got him fixed --
confuses me as to who and where and why --
as to how he gets his kicks.
Confessing to the endless sin --
the endless whining sounds.
You'll be praying till next Thursday to
all the gods that you can count

Café com pão

Um dos primeiros contatos que eu tive com a poesia foi através desse poema. Ele fazia parte de algum livro adotado lá no Externato Rio Branco. Me lembro que tinha um desenho de um trem de ferro ao lado das letras. O ritmo das palavras, das sílabas me encantou. O "Café com pão, café com pão" era igualzinho ao barulho que eu ouvia quando embarcava na estação da Mogiana rumo a Ribeirão Preto. Uma criança tinha mesmo que ficar louca com estes sons repetidos em forma de palavras...

Trem de ferro

Café com pão
Café com pão
Café com pão

Virge Maria que foi isso maquinista?

Agora sim
Café com pão
Agora sim
Voa, fumaça
Corre, cerca
Ai seu foguista
Bota fogo
Na fornalha
Que eu preciso
Muita força
Muita força
Muita força
(trem de ferro, trem de ferro)

Oô...
Foge, bicho
Foge, povo
Passa ponte
Passa poste
Passa pasto
Passa boi
Passa boiada
Passa galho
Da ingazeira
Debruçada
No riacho
Que vontade
De cantar!
Oô...
(café com pão é muito bom)

Quando me prendero
No canaviá
Cada pé de cana
Era um oficiá
Oô...
Menina bonita
Do vestido verde
Me dá tua boca
Pra matar minha sede
Oô...
Vou mimbora vou mimbora
Não gosto daqui
Nasci no sertão
Sou de Ouricuri
Oô...

Vou depressa
Vou correndo
Vou na toda
Que só levo
Pouca gente
Pouca gente
Pouca gente...
(trem de ferro, trem de ferro)

Manuel Bandeira

Sanfona


sábado, novembro 23, 2013

sábado, setembro 28, 2013

Saudades dos meus

Tenho comigo um tesouro. Um poema escrito pelo meu pai quando ele estava só e saudoso no Mato Grosso, servindo ao Exército Brasileiro. 944. Nunca me esquecerei desse número. ele sempre o disse pra mim, nas conversas que tínhamos ao lado da máquina de costura.

Só muitos anos depois fui conhecer sua veia poética e apreciar o artista que ele sempre foi, seja nessas letras, seja na música ou nas artes plásticas que a alfaiataria que ele exercia sempre foi. Pura arte.

Esse poema em letras magras e elegantes, como as que meu filho hoje usa de maneira herdada inconsciente, gravadas em papel fino e frágil, mostram a saudade dele pelos seus. Saudade da sua cidade, daqueles que lhe queriam bem.

É um poema de trinta estrofes. Ou mais talvez, caso tenham se perdido outras que não tenho ciência. Não há título. O que coloco ali acima é meu. É um poema de quem herdei o sangue e um pouco do talento. Alguém de alma acima de nós, simples mortais. Quem o conheceu saberá dizer.

(...)

E então eu só ia à igreja
Para Deus eu pedir
Que minha vida seja
Cheia de saúde e bom porvir

E assim, tenho confiança em Deus
Em Nossa Senhora e Santos também
Que um dia encontro os meus
Com saúde junto a quem me quer bem

Meu nome ninguém se engane
Pois todos já sabem bem
Chamo-me Adelmo Degani
Filho de Cordiano e Hermínia também


(...)

Parte do poema de Adelmo Degani escrito como soldado número 944, no Esquadrão de Metralhadora no 10º R.C.D., em Bella Vista, Matto Grosso, provavelmente no início da década de 1930.


Kings Of Leon - Supersoaker



Tags: Kol

sábado, agosto 24, 2013

sábado, agosto 03, 2013

terça-feira, julho 16, 2013

Groove Armada - Paris

Dica do antenado Ugo Degani:



 

sexta-feira, julho 12, 2013

Jamie N Commons - Lead Me Home



Tags: The Walking Dead S03E13

sexta-feira, julho 05, 2013

Diana Krall Live In Rio 2008



Tags: Jazz; Rio de Janeiro; Loura; Linda; Música boa

quinta-feira, julho 04, 2013

The Great Voice in The Sky

Talvez você nunca tenha ouvido essa cantora. Você acha que não. Sua voz se eternizou na belíssima The Great Gig in The Sky, do Pink Floyd.

A história de como ela participou do álbum é bem legal e foi contada por John Harrison no livro "The Dark Side of the Moon - Os Bastidores da Obra-Prima do Pink Floyd".

Num domingo apenas, com 22 anos, ela criou aquela maravilha vocal e nunca mais os caras do Pink Floyd conseguiram alguém pra cantar em seus shows que chegasse aos pés de Clare Torry.



Tags: Pink Floyd; Dark Side of The Moon; The Great Gig in The Sky; Richard Wrigth

segunda-feira, junho 17, 2013

U2 - Sunday Bloody Sunday



Tags: U2; Acustic

Pearl Jam in Sao Paulo



Tags: Lollapalooza 2013; São Paulo

sexta-feira, junho 14, 2013

Foo Fighters with John Paul Jones and Jimmy Page

Essa foi uma dica do Luciano Araújo. Dica fundamental.



Tags: Led Zeppelin; Foo Fighters; John Paul Jones; Jimmy Page.

Doze coisas práticas

1. Ver o pôr do Sol;
2. Observar a paisagem, um misto de cerrado com pastos e plantações;
3. Um galo em meio a algumas galinhas é um ser feliz;
4. Montar um bar noturno com segundas intenções próximo a um posto frequentado por motoristas de caminhão pode ser rentável;
5. Não se pode contar com aquilo que não foi concretizado;
6. Tudo que pode vir a ser são apenas possibilidades;
7. De repente, uma boa possibilidade pode surgir sem que se espere mais por ela;
8. Mas logo depois, ela pode se perder; uma coisa boa anulada por um revés;
9. Mas se é assim, o inverso então é possível. De repente, sem se esperar, uma coisa boa pode surgir e anular um revés;
10. Às vezes, após um revés, aparecem pequenos detalhes para suavizá-lo;
11. Um ato simples e prosaico, que normalmente não damos importância, pode influenciar na obtenção, ou no impedimento, de um desejo;
12. Tenho que colocar água no carro mais vezes.

Bon Iver @ AIR Studios


terça-feira, junho 11, 2013

Suedehead



Tags: Morrissey

segunda-feira, maio 20, 2013

Daft Punk - Lose Yourself To Dance

Os sábados à noite eram imperdíveis e íamos às discotèques, lá pelos fins dos anos 70. A música era sempre boa e aqueles negões dos EUA sabiam mesmo fazer música. Stevie Wonder, Marvin Gaye, Al Green, The Floatters, Michael Jackson.

Hoje em dia tem aqueles que teimam em se dizer músicos, mas apenas dão valor a grana, correntes de ouro no pescoço, carrões e ainda tratam as mulheres como suas propriedades. Mas no vídeo aí, o que você vai ver é o pessoal daqueles anos dançando como se fazia na época. Com uma música de 2013, feita por dois franceses do Daft Punk...

Música boa não tem idade.





Tags: Daft Punk; Anos 70

domingo, maio 12, 2013

Led Zeppelin - Achilles Last Stand

Só fui me dar conta da força desse música num show no London Pub com o Maurício Ricardo, o Pedro Broginni e outros. E, claro, já havia a escutado muitas vezes nos anos de facul. Coisas boas são assim, eternas, inesperadas, sempre presentes seja qual for a circunstância.



Tags: Led Zeppelin; London Pub; Maurício Ricardo

quinta-feira, maio 09, 2013

Um abraço em Bangladesh


 Eu bem que quis escrever algo sobre essa foto, mas não consegui. Preferi colocar o texto da fotógrafa que fez a foto. Tem horas que, se já não sou bom pra falar, também me engasgo pra escrever.


"Eu venho fazendo muitas peguntas a respeito do casal que morreu abraçado após o colapso. Eu tentei desesperadamente, mas ainda não achei nenhuma pista a respeito deles. Eu não sei quem são ou qual a relação eles tinham.

Eu passei o dia inteiro do desabamento no local, assistindo aos trabalhadores serem retirados das ruínas. Eu lembro do olhar aterrorizado dos familiares - eu estava exausta mental e fisicamente. Por volta das 2h, encontrei um casal abraçado nos escombros. A parte inferior dos seus corpos estava enterrada sob o concreto. O sangue que saía dos olhos do homem corria como se fosse uma lágrima. Quando os vi, não pude acreditar. Era como se eu os conhecesse - eles pareciam ser muito próximos a mim. Eu vi quem eles foram em seus últimos momentos, quando, juntos, tentaram salvar um ao outro – salvar suas vidas amadas.

Cada vez que eu olho para essa foto, me sinto desconfortável - ela me assombra. É como se eles estivessem me dizendo, nós não somos um número - não somos apenas trabalho barato e vidas baratas. Nós somos humanos como você. Nossa vida é preciosa como a sua, e nossos sonhos são preciosos também.

Eles são testemunhas nessa história cruel. O número de mortos agora passa de 750 (nesta quinta-feira, 9/5/2013, já chega a quase 1000). Que situação desagradável nós estamos, onde humanos são tratados apenas como números.

Essa foto me assombra todo o tempo. Se as pessoas responsáveis não receberem a punição merecida, nós veremos esse tipo de tragédia de novo. Não haverá consolo para esses sentimentos horríveis. Cercada de corpos, eu senti uma imensa pressão e dor nas duas últimas semanas. Como testemunha dessa crueldade, tenho necessidade de compartilhar essa dor com todos. Por isso eu quero que essa foto seja vista
."

 Taslima Akhter, fotógrafa e ativista bengalesa, autora da foto

sexta-feira, maio 03, 2013

World Trade Center

Pode chamar de engenharia, pode dizer que é arte. É sempre algo único. E por ser único já é bonito, talvez pela sua efemeridade.

Quem trabalha com o assunto, seja engenharia, seja gerenciamento de projetos vai entender do que falo.


Tags: New York; One World Trade Center

quinta-feira, abril 25, 2013

Todo caminho da gente é resvaloso

Todo caminho da gente é resvaloso.
Mas também, cair não prejudica demais
A gente levanta, a gente sobe, a gente volta!...
O correr da vida embrulha tudo, a vida é assim:
Esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa,
Sossega e depois desinquieta.
O que ela quer da gente é coragem.
Ser capaz de ficar alegre e mais alegre no meio da alegria,
E ainda mais alegre no meio da tristeza...



João Guimarães Rosa

sábado, abril 20, 2013

Meu Pé de Laranja-Lima

Eu ainda não tinha dez anos, mas já tinha lido alguns livros do José Mauro de Vasconcelos. Todos depois de ter me aprofundado nas páginas de “Meu Pé de Laranja-Lima”.

Imaginei que o menino da história podia ser eu e assim, como sempre acontece no ato maravilhoso de ler um livro, entrei fundo na alma do moleque. Tinha temas como ficar sozinho conversando com uma árvore, famílias com problemas, perdas, desistências da vida. Coisas que hoje as mães politicamente corretas talvez não deixassem que seus filhos de nove anos lessem.

Quando eu já tinha dez anos, tive a oportunidade de conhecer o autor, o José Mauro, quando ele veio fazer uma tarde de autógrafos na extinta e saudosa Livraria Kosmos, ali na Afonso Pena. Tenho ainda o livro, com uma dedicatória ao Paulo Duarte, como me apresentei a ele.

Hoje, vendo o trailer desse filme me emocionei ao relembrar minha infância gostosa que passei com meus pais, minhas irmãs, meu irmão e com a lembrança do meu outro irmão que trabalhou na Kosmos e tão pouco convivi.

Infância que passou, vida que passa, tempo que absorvo. Lembranças que nutrem.


Tags: José Mauro de Vasconcelos; Marcos Bernstein

quinta-feira, abril 11, 2013

This is Emily

Dizem que o tempo ameniza
Isto é faltar com a verdade
Dor real se fortalece
Como os músculos, com a idade

É um teste no sofrimento
Mas não o debelaria
Se o tempo fosse remédio
Nenhum mal existiria


Emily Dickinson

quinta-feira, abril 04, 2013

Hallelujah - Jeff Buckley

Jeff Buckley morreu em 1997 com uma carreira ainda por fazer. Foi nadar num afluente do Mississipi e enquanto um amigo o escutava cantarolando “Whole Lotta Love”, algo aconteceu e seu corpo só foi encontrado uma semana depois, bem longe do local. Quem escutar sua voz estará irremediavelmente ligada a ela. Não dá pra esquecer. Buckley interpretou uma música de Leonard Cohen que acabou virando uma lenda. Um hino.

Se você a escutar numa situação onde a última canção que imaginasse ouvir fosse essa, aí então que essa melodia não desgrudará nunca de você. Já a escutei em uma situação inesquecível. Momento inesquecível. Companhia inesquecível. Vida inesquecível.
 

sábado, março 30, 2013

Stevie Ray Vaughan Tin Pan Alley (with Johnny Copeland)

Segundo Eric Clapton, o próprio estaria morto se tivesse tomado o helicóptero que o levaria a um outro local de shows. Alguma coisa aconteceu e Steve Ray Vaughan foi na frente. A viagem que o levou acabou nas montanhas.

Perder Clapton ou Vaughan não deveria ser uma escolha. Há outras ótimas e mais sedutoras pra se fazer. O fato é que esse cara aí se foi muito cedo. Às vezes penso que nós temos perdas demais...


sexta-feira, março 29, 2013

sábado, março 23, 2013

Plena mulher

Plena mulher, maçã carnal, lua quente,
espesso aroma de algas, lodo e luz pisados,
que obscura claridade se abre entre tuas colunas?
que antiga noite o homem toca com seus sentidos?

Ai, amar é uma viagem com água e com estrelas,
com ar opresso e bruscas tempestades de farinha:
amar é um combate de relâmpagos e dois corpos
por um so mel derrotados

Beijo a beijo percorro teu pequeno infinito,
tuas margens, teus rios, teus povoados pequenos,
e o fogo genital transformado em delícia

corre pelos tênues caminhos do sangue
até precipitar-se como um cravo noturno,
até ser e não ser senão na sombra de um raio.


Pablo Neruda

EBTG - Do It Know


quinta-feira, março 21, 2013

Genesis - Shepperton 1973

Eu sei que muita gente conhece o Genesis como sendo a banda do Phill Collins. Mas não é bem assim. Genesis bom mesmo é com Peter Gabriel e Steve Hackett. Aqui, só uma amostra do que os caras sabiam fazer.


terça-feira, março 19, 2013

quinta-feira, março 14, 2013

sábado, março 09, 2013

quarta-feira, março 06, 2013

sábado, março 02, 2013

quinta-feira, fevereiro 28, 2013

sábado, fevereiro 23, 2013

A luz dos teus olhos

Na noite sem Lua
Num tempo sem céu
A luz dos teus olhos
Brilharam pra mim
Tiraram o véu
E junto com lábios
Da cor de carmim
Guiaram meus pés
E a alma que é sua

The Kennedy Center Honors 2012

Dustin Hoffman é um ator que talvez muita gente nem conheça direito, mas é um fora da curva. Buddy Guy é o cara que inspirou um monte de caras, como você vai poder ver no vídeo.

Aí, Led Zeppelin não conta. Escuta o que o Jack Black fala dos caras. É exatamente.



Tags: Led Zeppelin; Buddy Guy; Dustin Hoffman

quarta-feira, fevereiro 20, 2013

The Making of Dark Side of the Moon - Documentary

Uma obra prima que ainda será celebrada daqui cem anos.



Tags: Pink Floyd

Feelings - Nina Simone



Tags: Morris Albert; Montreaux

sábado, fevereiro 16, 2013

Yes

Um show pra guardar no seu HD.


Led Zeppelin - Kennedy Center Honors

Os caras são mesmo especiais. Me lembro de uma peça teatral numa pequena cidade aqui perto, com Tostão e Luiz Ângelo onde grande parte da trilha foi do Led. Eu devia ter uns 16. Depois disso, nunca mais consegui passar meus dias sem Led Zeppelin.

Hoje, meu filho venera os caras. Com razão. Esses caras são eternos. Os netos do meu filho irão escutar  Whole Lotta Love e irão se perguntar: Por que não vivi naquela época?



sexta-feira, fevereiro 08, 2013

Li Hongbo

Pearl Jam - Little Wing



Tags: Chad Smith; Red Hor Chilli Peppers; Eddie Vedder; Hendrix

terça-feira, fevereiro 05, 2013

sábado, fevereiro 02, 2013

Comfortably numb, comfortably ...





Tags: Pink Floyd; Roger Waters; David Gilmour

quinta-feira, janeiro 31, 2013

Saquear Brasília



Tags: Capital Inicial

sexta-feira, janeiro 25, 2013

Longe

Não é a Lua grande num céu sem nuvens
Que mais aperta o coração
Mas é ela que assim denuncia
Esse tempo de solidão

Não é a madrugada que se anuncia
Trazendo a brisa da escuridão
É só a saudade do encontro dos olhos
A alagar essa emoção

quinta-feira, janeiro 24, 2013

O filho ingrato

Um conto dos irmãos Grimm

 
Era uma vez um homem e sua mulher, que estavam sentados à frente de sua casa prontos para começar a comer uma galinha assada. Quando o homem viu seu velho pai se aproximando, rapidamente escondeu a galinha, pois não queria dividi-la com ele. O velho chegou, bebeu água e se foi.

O filho então foi buscar a galinha assada e pô-la na mesa, mas ela havia se transformado em um grande sapo, que saltou para o rosto dele, onde ficou grudado para sempre.

Se alguém tentasse tirar o sapo do rosto do homem acabaria desistindo ante o olhar ameaçador do animal, por isso ninguém tinha coragem de tocá-lo. Ainda por cima, o filho ingrato tinha de alimentar o sapo todos os dias; caso contrário, este comeria parte de seu rosto. E assim o homem passou o resto da vida, indo a um lugar a outro sem sossego.

quarta-feira, janeiro 23, 2013

Para ser grande

Para ser grande, sê inteiro: nada
Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a lua toda
Brilha, porque alta vive.


Fernando Pessoa como Ricardo Reis

domingo, janeiro 20, 2013

segunda-feira, janeiro 14, 2013

The Middle East - Pig Food


Ao coração que sofre

Ao coração que sofre, separado
Do teu, no exílio em que a chorar me vejo,
Não basta o afeto simples e sagrado
Com que das desventuras me protejo.

Não me basta saber que sou amado,
Nem só desejo o teu amor: desejo
Ter nos braços teu corpo delicado,
Ter na boca a doçura de teu beijo.

E as justas ambições que me consomem
Não me envergonham: pois maior baixeza
Não há que a terra pelo céu trocar;

E mais eleva o coração de um homem
Ser de homem sempre e, na maior pureza,
Ficar na terra e humanamente amar.



Olavo Bilac

sábado, janeiro 12, 2013

As boas coisas da vida - Rubem Braga

Uma revista mais ou menos frívola pediu a várias pessoas para dizer as “dez coisas que fazem a vida valer a pena”. Sem pensar demasiado, fez esta pequena lista:

- Esbarrar às vezes com certas comidas da infância, por exemplo: aipim cozido, ainda quente, com melado de cana que vem numa garrafa cuja rolha é um sabugo de milho. O sabugo dará um certo gosto ao melado? Dá: gosto de infância, de tarde na fazenda.

- Tomar um banho excelente num bom hotel, vestir uma roupa confortável e sair pela primeira vez pelas ruas de uma cidade estranha, achando que ali vão acontecer coisas surpreendentes e lindas. E acontecerem.

- Quando você vai andando por um lugar e há um bate-bola, sentir que a bola vem para o seu lado e, de repente, dar um chute perfeito – e ser aplaudido pelos serventes de pedreiro.

- Ler pela primeira vez um poema realmente bom. Ou um pedaço de prosa, daqueles que dão inveja na gente e vontade de reler.

- Aquele momento em que você sente que de um velho amor ficou uma grande amizade – ou que uma grande amizade está virando, de repente, amor.

- Sentir que você deixou de gostar de uma mulher que, afinal, para você, era apenas aflição de espírito e frustração da carne – a mulher que não te deu e não te dá, essa amaldiçoada.

- Viajar, partir…

- Voltar.

- Quando se vive na Europa, voltar para Paris, quando se vive no Brasil, voltar para o Rio

- Pensar que, por pior que estejam as coisas, há sempre uma solução, a morte – o assim chamado descanso eterno.



Rubem Braga

Tags: 100 anos de Rubem Braga; Crônicas

quinta-feira, janeiro 10, 2013

Diversão

Quando eu estava na faculdade sempre me via estudando as matérias que não precisava, pois já tinha passado, e ficando naquelas que eu precisava estudar e não estudava. As que eu já tinha passado eram as divertidas ou que os professores faziam parecer assim.

Quando eu era molecote, cheguei a ter uma “fábrica” de pipas. Eu cuidava do design, das dobraduras, das colagens com grude de polvilho. Era divertido. A parte chata, fazer varetas de bambu, eu deixava para o Keller.

Quando me chamaram pra voltar a atuar em empreendimentos imobiliários, topei na hora. É divertido. Faço com prazer e um sorriso escancarado. Sei fazer e sei o quanto me divirto. Me faz lembrar das pipas que, obviamente, só seriam legais se subissem aos céus da Santos Dumont com Princesa Isabel.

Outro dia postei no Facebook um artigo da Patrícia Melo (na IstoÉ) sobre Entretenimento. Ou seja, Diversão. Agora topei com essa palestra do Rafael Kenski no TED (que é um fórum espetacular sobre coisas atuais e futuras). E é sobre: Diversão.

Olha só: são treze minutos. Nesse tempo, dependendo da hora, seu Facebook vai estar cheio de novos posts. Clarices Lispectors, Caios Abreus, defensores e atacantes do BBB, gente querendo a pele do Lula, etc. Tente ver esse vídeo e pense: O que diverte você?


Wait for Me



Tags: Blade Runner; Vangelis

quarta-feira, janeiro 09, 2013

Take the Box



Tags: Amy Winehouse

terça-feira, janeiro 08, 2013

Blade Runner Blues



Tags: Harrison Ford; Ridley Scott; Vangelis

Carne

Que importa se a distância estende entre nós léguas e léguas
Que importa se existe entre nós muitas montanhas?
O mesmo céu nos cobre
E a mesma terra Iiga nossos pés.
No céu e na terra é tua carne que palpita
Em tudo eu sinto o teu olhar se desdobrando
Na carícia violenta do teu beijo.
Que importa a distância e que importa a montanha
Se tu és a extensão da carne
Sempre presente?


Vinícius de Moraes

Where Are We Now?



Tags: David Bowie; 66

segunda-feira, janeiro 07, 2013

E depois



É dia de te ver, que sorte grande, sim senhor...
É mamão no mel, algodão doce azul
Que bom, acende uma alegria tipo curumim
Por causa do que vibra dentro de você
Você não tem idéia como eu sou feliz
Às cinco eu passo aí para um sorvete
Levo o disco do Bob que você me pediu
E aí... a gente vai passear
E aí... a gente vai namorar
E depois... e depois... e depois...


Tags: Seu Jorge

sábado, janeiro 05, 2013

Desejo

Desejo primeiro que você ame,
E que amando, também seja amado.
E que se não for, seja breve em esquecer.
E que esquecendo, não guarde mágoa.
Desejo, pois, que não seja assim,
Mas se for, saiba ser sem desesperar.

Desejo também que tenha amigos,
Que mesmo maus e inconseqüentes,
Sejam corajosos e fiéis,
E que pelo menos num deles
Você possa confiar sem duvidar.

E porque a vida é assim,
Desejo ainda que você tenha inimigos.
Nem muitos, nem poucos,
Mas na medida exata para que, algumas vezes,
Você se interpele a respeito
De suas próprias certezas.
E que entre eles, haja pelo menos um que seja justo,
Para que você não se sinta demasiado seguro.

Desejo depois que você seja útil,
Mas não insubstituível.
E que nos maus momentos,
Quando não restar mais nada,
Essa utilidade seja suficiente para manter você de pé.

Desejo ainda que você seja tolerante,
Não com os que erram pouco, porque isso é fácil,
Mas com os que erram muito e irremediavelmente,
E que fazendo bom uso dessa tolerância,
Você sirva de exemplo aos outros.

Desejo que você, sendo jovem,
Não amadureça depressa demais,
E que sendo maduro, não insista em rejuvenescer
E que sendo velho, não se dedique ao desespero.
Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor e
É preciso deixar que eles escorram por entre nós.

Desejo por sinal que você seja triste,
Não o ano todo, mas apenas um dia.
Mas que nesse dia descubra
Que o riso diário é bom,
O riso habitual é insosso e o riso constante é insano.

Desejo que você descubra ,
Com o máximo de urgência,
Acima e a respeito de tudo, que existem oprimidos,
Injustiçados e infelizes, e que estão à sua volta.

Desejo ainda que você afague um gato,
Alimente um cuco e ouça o joão-de-barro
Erguer triunfante o seu canto matinal
Porque, assim, você se sentirá bem por nada.

Desejo também que você plante uma semente,
Por mais minúscula que seja,
E acompanhe o seu crescimento,
Para que você saiba de quantas
Muitas vidas é feita uma árvore.

Desejo, outrossim, que você tenha dinheiro,
Porque é preciso ser prático.
E que pelo menos uma vez por ano
Coloque um pouco dele
Na sua frente e diga "Isso é meu",
Só para que fique bem claro quem é o dono de quem.

Desejo também que nenhum de seus afetos morra,
Por ele e por você,
Mas que se morrer, você possa chorar
Sem se lamentar e sofrer sem se culpar.

Desejo por fim que você sendo homem,
Tenha uma boa mulher,
E que sendo mulher,
Tenha um bom homem
E que se amem hoje, amanhã e nos dias seguintes,
E quando estiverem exaustos e sorridentes,
Ainda haja amor para recomeçar.

E se tudo isso acontecer,
Não tenho mais nada a te desejar.


Victor Hugo

quinta-feira, dezembro 20, 2012

Paradise - Coldplay



Tags: Coldplay; Paradise; As Aventuras de Pi; Ang Lee

A você, com amor

O amor é o murmúrio da terra
quando as estrelas se apagam
e os ventos da aurora vagam
no nascimento do dia...
O ridente abandono,
a rútila alegria
dos lábios, da fonte
e da onda que arremete
do mar...

O amor é a memória
que o tempo não mata,
a canção bem-amada
feliz e absurda...

E a música inaudível...

O silêncio que treme
e parece ocupar
o coração que freme
quando a melodia
do canto de um pássaro
parece ficar...

O amor é Deus em plenitude
a infinita medida
das dádivas que vêm
com o sol e com a chuva
seja na montanha
seja na planura
a chuva que corre
e o tesouro armazenado
no fim do arco-íris. 


Vinícius de Moraes

terça-feira, dezembro 18, 2012

Receita de mulher

As muito feias que me perdoem
Mas beleza é fundamental. É preciso
Que haja qualquer coisa de flor em tudo isso
Qualquer coisa de dança, qualquer coisa de haute couture
Em tudo isso (ou então
Que a mulher se socialize elegantemente em azul, como na República Popular Chinesa).
Não há meio-termo possível. É preciso
Que tudo isso seja belo. É preciso que súbito
Tenha-se a impressão de ver uma garça apenas pousada e que um rosto
Adquira de vez em quando essa cor só encontrável no terceiro minuto da aurora.
É preciso que tudo isso seja sem ser, mas que se reflita e desabroche
No olhar dos homens. É preciso, é absolutamente preciso
Que seja tudo belo e inesperado. É preciso que umas pálpebras cerradas
Lembrem um verso de Éluard e que se acaricie nuns braços
Alguma coisa além da carne: que se os toque
Como o âmbar de uma tarde. Ah, deixai-me dizer-vos
Que é preciso que a mulher que ali está como a corola ante o pássaro
Seja bela ou tenha pelo menos um rosto que lembre um templo e
Seja leve como um resto de nuvem: mas que seja uma nuvem
Com olhos e nádegas. Nádegas é importantíssimo. Olhos, então
Nem se fala, que olhem com certa maldade inocente. Uma boca
Fresca (nunca úmida!) é também de extrema pertinência.
É preciso que as extremidades sejam magras; que uns ossos
Despontem, sobretudo a rótula no cruzar as pernas, e as pontas pélvicas
No enlaçar de uma cintura semovente.
Gravíssimo é porém o problema das saboneteiras: uma mulher sem saboneteiras
É como um rio sem pontes. Indispensável
Que haja uma hipótese de barriguinha, e em seguida
A mulher se alteia em cálice, e que seus seios
Sejam uma expressão greco-romana, mais que gótica ou barroca
E possam iluminar o escuro com uma capacidade mínima de cinco velas.
Sobremodo pertinaz é estarem a caveira e a coluna vertebal
Levemente à mostra; e que exista um grande latifúndio dorsal!
Os membros que terminem como hastes, mas bem haja um certo volume de coxas
E que elas sejam lisas, lisas como a pétala e cobertas de suavíssima penugem
No entanto sensível à carícia em sentido contrário.
É aconselhável na axila uma doce relva com aroma próprio
Apenas sensível (um mínimo de produtos farmacêuticos!)
Preferíveis sem dúvida os pescoços longos
De forma que a cabeça dê por vezes a impressão
De nada ter a ver com o corpo, e a mulher não lembre
Flores sem mistério. Pés e mãos devem conter elementos góticos
Discretos. A pele deve ser fresca nas mãos, nos braços, no dorso e na face
Mas que as concavidades e reentrâncias tenham uma temperatura nunca inferior
A 37º centígrados, podendo eventualmente provocar queimaduras
Do primeiro grau. Os olhos, que sejam de preferência grandes
E de rotação pelo menos tão lenta quanto a da terra; e
Que se coloquem sempre para lá de um invisível muro de paixão
Que é preciso ultrapassar. Que a mulher seja em princípio alta
Ou, caso baixa, que tenha a atitude mental dos altos píncaros.
Ah, que a mulher dê sempre a impressão de que se se fechar os olhos
Ao abri-los ela não mais estará presente
Com seu sorriso e suas tramas. Que ela surja, não venha; parta, não vá
E que possua uma certa capacidade de emudecer subitamente e nos fazer beber
O fel da dúvida. Oh, sobretudo
Que ela não perca nunca, não importa em que mundo
Não importa em que circunstâncias, a sua infinita volubilidade
De pássaro; e que acariciada no fundo de si mesma
Transforme-se em fera sem perder sua graça de ave; e que exale sempre
O impossível perfume; e destile sempre
O embriagante mel; e cante sempre o inaudível canto
Da sua combustão; e não deixe de ser nunca a eterna dançarina
Do efêmero; e em sua incalculável imperfeição
Constitua a coisa mais bela e mais perfeita de toda a criação inumerável.


Vinícius de Moraes

segunda-feira, dezembro 17, 2012

You Are The First, My Last, My Everything



Tags: Barry White; Um cara romântico; Anos 70

quinta-feira, dezembro 13, 2012

Timidez

Basta-me um pequeno gesto,
feito de longe e de leve,
para que venhas comigo
e eu para sempre te leve...
- mas só esse eu não farei.

Uma palavra caída
das montanhas dos instantes
desmancha todos os mares
e une as terras distantes...
- palavras que não direi.

Para que tu me adivinhes,
entre os ventos taciturnos,
apago meus pensamentos,
ponhos vestidos noturnos,
- que amargamente inventei.

E, enquanto não me descobres,
os mundos vão nevegando
nos ares certos do tempo
até não se sabe quando...
- e um dia me acabarei.


Cecília Meireles

segunda-feira, dezembro 10, 2012

Gentilimpeza

Ilustração: Benjamin Cafalli

Tags: 1ª Mostra Internacional de Humor sobre Educação Ambiental; Civilidade

sábado, dezembro 08, 2012

Árvores - ACD 3




Fotos: Antônio Carlos Degani

Pavarotti & Dalla



Tags: Caruso; Italia

Passado = Futuro

Sempre tive vontade de fazer isso: pegar fotos antigas e refazê-las com a realidade atual. Como sempre acontece, alguém fez isso primeiro. Quem sabe eu pego ainda algumas fotos pra refazer?

Após as fotos que já foram realizadas, algumas possibilidades que podem ser refeitas.







E agora, algumas fotos que a gente poderia refazer. Eu sei que muitas das pessoas aí não estão mais entre nós, mas colocaríamos em seu lugar um espaço especial, um lugar pra sua alma querida.
















Não deixe o amor passar

Quando encontrar alguém e esse alguém fizer seu coração parar de funcionar por alguns segundos, preste atenção: pode ser a pessoa mais importante da sua vida.

Se os olhares se cruzarem e, neste momento,houver o mesmo brilho intenso entre eles, fique alerta: pode ser a pessoa que você está esperando desde o dia em que nasceu.

Se o toque dos lábios for intenso, se o beijo for apaixonante, e os olhos se encherem d’água neste momento, perceba: existe algo mágico entre vocês.

Se o primeiro e o último pensamento do seu dia for essa pessoa, se a vontade de ficar juntos chegar a apertar o coração, agradeça: Deus te mandou um presente: O Amor.

Por isso, preste atenção nos sinais - não deixe que as loucuras do dia-a-dia o deixem cego para a melhor coisa da vida: O amor.


Carlos Drummond de Andrade

Árvores ACD - 2




Fotos: Antônio Carlos Degani

Para sempre

Para Laura Machado Degani.



Por que Deus permite
que as mães vão-se embora?
Mãe não tem limite,
é tempo sem hora,
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido
na pele enrugada,
água pura, ar puro,
puro pensamento.

Morrer acontece
com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça,
é eternidade.
Por que Deus se lembra
- mistério profundo -
de tirá-la um dia?
Fosse eu Rei do Mundo,
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho.


Carlos Drummond de Andrade

Árvores ACD - 1

Lá pra trás, nesse blog, tem uma série de Árvores. Começo aqui outra. Agora só com fotos do meu irmão que as adora ainda mais do que eu. Tem a paciência de buscar as suas sementes, plantar, regar, fazer crescer. Construir árvores. E desconstruir pra construir novas árvores.



Fotos: Antônio Carlos Degani

quarta-feira, dezembro 05, 2012

Oscar






Tags: Oscar Niemayer; arquitetura; Brasil

Décio Pignatari - 3

Tags: Concretismo

Décio Pignatari - 2

Tags: Concretismo